Blog que retrata os acontecimentos do mar e porto de Viana e arredores, nos bons e maus momentos, dos pequenos aos grandes senhores.

12
Nov 07

A revista Oceano, no seu número 1 de Março de 1993 apresentou uma reportagem - Viana do Castelo entre o mar e a terra - essencialmente dedicada à pesca, reflectindo sobre o futuro da pesca em Viana do Castelo, a atravessar um mau momento (longínqua e local) perspectivando melhorias no futuro especialmente na pesca artesanal.

Passados 14 anos, constatamos não ter havido evolução apesar dos incentivos concedidos pela CEE para a modernização da frota de pesca costeira ou artesanal.

Aqui deixamos algumas imagens dessa época não muito distante.

 

 

Pormenor da doca comercial com embarcações de pesca artesanal em primeiro plano e em segundo plano alguns arrastões da pesca do bacalhau.

 

 

"O Menino Deus" em primeiro plano e os arrastões da E.P.Viana, Senhora das Candeias e Senhora do Mar em segundo plano

 

 

Uma embarcação de pesca em construção nos estaleiros da Forpescas em Viana do Castelo, promissor estaleiro nesta área de construção.

 

 

Uma embarcação de pesca em reparação na rampa dos estaleiros da Forpescas

 

Passaram-se  os anos a frota longínqua ainda não há muitos anos com 13 unidades desapareceu definitivamente e a frota de pesca artesanal foi diminuindo, os estaleiros estão inativos, a lota está em vias de fechar, resta-nos o turismo, como profetizava o Presidente da Câmara da época.

Veremos se esse potencial também não é enjeitado...

publicado por dolphin às 23:32
tags:

11
Nov 07

Em Julho de 1972 a revista Observador publicava uma reportagem sobre o porto de Viana do Castelo com o título -Havemos de ir [por mar] a Viana.

Nessa altura as expectativas à volta do porto de mar eram muitas e naturais e o articulista considerava-o porto-esperança. Esperança de um dia  podermos ir - por mar - a Viana.

O tempo passou. Já lá vão 35 anos, a primeira fase do porto está concluída e as perspectivas de desenvolvimento são nulas.

A região, que apostava no desenvolvimento do porto, como motor de arranque para o crescimento, está parada à espera da conclusão dos acessos rodo-ferroviários, como última esperança.

Entretanto, a nova reestruturação portuária em curso, parece ter esfriado as esperanças que ainda acalentava de se tornar um porto charneira de uma vasta região que precisa  crescer economicamente como sustentáculo da população, uma das mais carenciadas da UE. 

À laia de recordação aqui se reproduzem algumas fotos da época.

 

 

Em cima, o navio-arrastão "Vasco d'Orey" da Empresa de Pesca de Viana; em baixo pormenor do anteporto e barra, com a Torre de Vigia dos Pilotos em primeiro plano.

 

 

A barra antiga - Molhe da Tornada (Sul); molhe do Bugio(Norte) e molhe do Fortim(centro).

Em primeiro plano a antiga praia do Cabedelo onde hoje se situa a retenção marginal norte.

 

 

Viana vista do Cabedelo com dois navios na doca comercial - ao centro um popa (Praia Amélia ou Ilha de Luanda, construídos nos ENVC); à direita um clássico da E.P.Viana também construção dos ENVC (Vasco d'Orey ou Santa Maria Madalena)

 

 

Movimento na doca com uma junta de bois em primeiro plano - meio utilizado para transporte de cargas de/e para os navios de pesca e comerciais.

 

 

 

Canal da eclusa e ponte móvel na entrada da Doca Comercial

 

 

O navio São Ruy

 

 

ENVC - Doca nº 1

 

 

ENVC - Doca nº 1 - Pormenor de uma construção

 

 

Pormenor dos ENVC com uma batelão-draga na entrada da doca nº 1

 

 

ENVC - O arrastão "Santa Isabel" da Empresa de Pesca de Aveiro em construção.

 

 

Doca de Marés

publicado por dolphin às 22:17
tags:

Novembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


subscrever feeds
Contador
mais sobre mim
pesquisar
 
pour générerller dans votre page web.
TIME
blogs SAPO