Blog que retrata os acontecimentos do mar e porto de Viana e arredores, nos bons e maus momentos, dos pequenos aos grandes senhores.

27
Fev 10

 

 Na primeira foto de Setembro de 1947 pode ver-se a ligação da Ínsua ao Camarido e a Moledo. Nas fotos actuais de Janeiro de 2010 vemos o desgaste provocado nas areias dunares da praia de Moledo e do Camarido, deixando as pedras à vista.

 

Segundo o Moderno Dicionário Enciclopédico, ínsua é uma ilhota de areia situada na foz de um rio. O mesmo dicionário também considera como sendo uma pequena ilha de areia banhada por um rio ou levada.

Nos rios Minho e Lima existem algumas ínsuas formadas por sedimentos transportados pelas águas mansas que encontraram obstáculos e os foram retendo dando origem a pequenas ilhotas no leito dos rios. São exemplos, entre outras, a ínsua Cavalar no rio Lima e a ínsua da Boega no rio Minho.

A ínsua existente na foz do rio Minho, com o nome de ÍNSUA, insere-se na primeira definição acima expressa. Esta ínsua fica situada actualmente a meio da foz do rio Minho e dista da costa cerca de 0,2 M (1 milha = 1852,16 metros) e a sua configuração é no sentido norte/sul numa extensão de 0,4 M com pouca elevação em relação ao nível do mar. Na parte mais elevada existe uma fortaleza mandada construir por D. João I em 1388, no interior da qual está implantado um convento Franciscano fundado em 1392 pelo frade Diogo Aires, nas ruínas da antiga ermida de Santa Maria de Carmes. Ao longo dos tempos esta fortaleza sofreu várias transformações, tendo, depois da expulsão das ordens religiosas, passado para a posse do estado e em 1896 sido instalado um farol.

Ao redor desta ilhota existem vários afloramentos rochosos sendo o mais importante a Ínsua Velha, quase junto à Ínsua. Pelo norte e pelo sul existem outras pedras perigosas para a navegação como Leixões, Cambalhão Norte, os Cambalhões, a Filha da Lage e a Baixa do Carreiro.

Esta ínsua é de constituição geológica granítica e está coberta em algumas partes de areia. Foi primitivamente uma península que se transformava em ilha na praia-mar, razão pela qual desde a fixação da fronteira com a Galiza é pertença de Portugal.

Segundo o dr. Manuel Busquets de Aguillar escreve no Roteiro de Viana de 1968, “Conhecida a Ínsua como ilha desde a vinda dos Romanos à Península Ibérica, a sua existência como península é, quando muito, do começo da época quaternária ou ainda mais antiga”.

Hermann Lautensach, no livro, Formação dos Terrenos Interglaciários do Norte de Portugal e suas relações com os problemas da Época Glaciária, Porto, 1945, pág.25, demonstra a junção com o litoral espanhol afirmando que o rio Minho desaguava por dois braços aquando da formação do terraço superior, ficando o monte de S. Tecla no meio formando uma ilha. Nessa altura, S. Tecla e a Ínsua deviam estar ligadas, formando uma só.

Com o decorrer dos séculos, o braço norte que corria entre S. Tecla e a costa norte Galega, onde hoje é Salcidos e A Guarda, ficando o rio a desaguar pelo braço sul.

Com todo o fluxo da corrente do rio Minho a desaguar pelo braço sul, a sul de S. Tecla, dá-se a formação da Ínsua como uma ilha desde a época pré-histórica.

Tal como aconteceu com quase todos os rios portugueses, deu-se a acumulação de areias onde hoje é a mata do Camarido, estreitando o rio e diminuindo o caudal do rio pelo braço sul, obrigando a corrente a ser mais forte pela barra norte entre a Ínsua e S. Tecla e, salvo duas excepções, começaram a ligar-se a Ínsua e o Camarido, uma vez por século, como aconteceu em 1582;1629; 14 de Setembro de 1708; fins de Outubro de 1895; 14 de Setembro a 4 de Novembro de 1947;  e de 14 a 19 de Outubro de 1966.

Actualmente, devido aos temporais de Novembro e Dezembro passados, o mar limpou a areia da praia de Moledo e Camarido, aumentando a distância à ÍNSUA. 

 

 Fontes: Roteiro de Viana, 1968

 

Viana do Castelo, 27 de Fevereiro de 2010

Manuel de Oliveira Martins

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
publicado por dolphin às 11:23
tags:

23
Fev 10

Foi um grande cientista do seu tempo e da humanidade. A ele se deve a descoberta do nónio. Apesar de ser de origem judaica, obteve sempre protecção real e, devido à sua grande sabedoria, foi primeiro nomeado, cosmógrafo real e em 1547 passou a cosmógrafo-mor. Grande parte das suas descobertas matemáticas deveram-se à necessidade de resolução dos problemas que surgiram ao longo das navegações portuguesas, daí a sua figura estar associada aos descobrimentos portugueses e merecer figurar na gesta lusíada.

A Marinha de Guerra Portuguesa tem de longa data a tradição de atribuir a alguns dos seus navios alguns nomes mais representativos da nossa nacionalidade. Entre essas grandes personalidades da nossa história conta-se a do grande matemático Pedro Nunes que foi nome de quatro navios de guerra em quatro épocas diferentes.

O primeiro navio a ser baptizado com esse nome foi o Brigue “Pedro Nunes” que foi construído no Arsenal de Marinha, junto à Ribeira das Naus e lançado nas águas do Tejo no dia 19 de Junho de 1856.

Teve a honra de ter como primeiro comandante o infante D. Luís que mais tarde foi rei de Portugal.

Quinze anos depois, a 17 de Agosto de 1871, foi desarmado e, incapaz de navegar, foi mandado vender, em 17 de Janeiro de 1874.

O segundo navio a usar o nome do ilustre cosmógrafo, foi a antiga galera Thermopilae, construída em 1868 e adquirida pelo Governo Português em 1896, para servir a Marinha como Navio-escola “Pedro Nunes”. Não chegou a armar para desempenhar essa missão sendo utilizado como pontão de carvão.

O seu fim foi, como tantos outros navios de guerra, alvo para treino de lançamento de torpedos, tendo sido afundado ao largo de Cascais a 13 de Outubro de 1907.

O terceiro foi o antigo paquete Malange, da Mala Real Inglesa, lançado à água em 1889,a quem coube a honra de ostentar o nome do grande astrónomo e matemático, com a categoria de Cruzador auxiliar “Pedro Nunes”, sendo utilizado nessa missão desde 1916 e fazendo serviço durante a 1.ª Grande Guerra Mundial.

Em 4 de Novembro de 1921 foi desarmado e em 9 de Julho de 1923 entregue à Companhia Nacional de Navegação que lhe voltou a dar o antigo nome de Malange 

O quarto e último navio a utilizar esse glorioso nome, foi o Aviso de 2.ª classe “Pedro Nunes”. Foi ainda no velho Arsenal de Marinha, ali junto ao Terreiro do Paço, naquela altura já denominada Praça do Comércio, que foi lançado à água no ano de 1934.

Em 11 de Abril de 1935 passou a armamento normal.

Fontes: - Grande Dicionário Enciclopédico.
- Pedro Nunes de A. Fontoura da Costa, colecção: Figuras de Além-mar. Agência Geral do Ultramar, 1969
publicado por dolphin às 11:31

02
Fev 10

Estamos em ano de centenário, o da implantação da República. Nesse ano de 1910 mais precisamente a 10 de Julho, pouco tempo antes da revolução de Outubro, era aprovado o projecto do ramal do caminho de ferro para a doca pela Junta Consultiva das Obras Públicas, com o empenhamento desse grande vianense que foi o Conselheiro Manuel Espregueira.

O ramal da doca, no projecto inicial, tinha uma extensão de 1500 metros e estimou-se um custo de 22.000$000 reis, para a sua construção.

Várias vicissitudes, entre as quais destacamos a queda da monarquia e a instabilidade governativa que ocorreu na 1ª República, a que se associou a crise económica, motivada pela nossa participação na 1ª Guerra Mundial, adiaram por oito anos o início das obras do ramal da doca.

 

 

Só em 08-06-1916, depois de muitas petições e representações durante esses anos passados; da Associação Comercial, do Governo Civil, do Presidente da Câmara, do Director das Obras do Porto e Barra de Viana do Castelo, Eng.º Henrique de Carvalho Assunção e do deputado pelo círculo de Viana do Castelo, dr. Ramos Pereira, é que o ministro autorizou a construção do ramal da doca.

Uma semana depois, o engº. Henrique de Carvalho Assunção, em representação da Junta Autónoma do porto e barra, nomeava o arquitecto municipal sr. António Adelino de Magalhães Moutinho, delegado da junta para tratar das expropriações, em consonância com os engenheiros que elaboraram o projecto, cujo traçado seria como refere "A Aurora do Lima" em 15-06-1916 " o ramal do caminho de ferro, partindo da agulha da Portella, entra no quintal da casa do finado general Gama e, passando junto à fonte d' Agonia, que será removida, suprime uma pequena parte do adro, atravessa o campo, corta a praça de touros e, descrevendo uma curva pelo mesmo campo, entra no recintho da doca".

 

 

Este trajecto ia levar muito tempo a ser concluído em consequência do sempre complicado processo das expropriações. O próprio Ministério da Guerra levantou alguns entraves à passagem do ramal pelo Campo do Castelo, exigindo duplo carril. Outros proprietários  de terrenos e prédios, exigiram preços elevadíssimos, reclamando-se, por esse facto, a intervenção  da autoridade para pôr cobro a estes desmandos incomportáveis e impeditivos da construção deste pequeno troço de caminho de ferro.

Estava-se no final da guerra (1914-18) e ainda não se vislumbrava o dia em que se iriam iniciar as obras do ramal, o que só veio a acontecer no célebre dia 5 de Dezembro de 1918, data em que foram lançadas e inauguradas em Viana do Castelo várias obras importantes.

O dr. Gaspar Teixeira de Queirós Coelho de Castro e Vasconcellos, meretíssimo juiz de direito, grande impulsionador do ramal da doca e desenvolvimento do porto e cidade de Viana do Castelo e o Eng.º Rangel de Lima, em representação dos Caminhos de Ferro do Minho e Douro, a convite do sr. Governador Civil, Capitão Ayres de Abreu, atearam o rastilho do primeiro tiro que quebraria a pedra para as obras do ramal. Estava em marcha o caminho de ferro para a doca que tanta tinta tinha feito correr ao longo dos anos e tantos entraves tinha sofrido.

 

Também recentemente esteve em Viana do Castelo  (13-01-2010) o ministro das Obras Públicas para anunciar o Plano Estratégico do Porto de Viana, que contempla os acessos rodo e ferroviários.

O acesso rodoviário está numa fase mais adiantada tendo sido já feitas expropriações em 200 parcelas de terreno. Se juntarmos o valor destas expropriações de 2,1 milhões de euros aos 6 milhões previstos para a construção da via, teremos um custo estimado de 8,1 milhões de euros para a construção de 8,8 Kms que ligarão o porto de mar à A28 no nó da Zona Industrial do Neiva.

 

 

Quanto ao acesso ferroviário, não muito distante do porto de mar, ainda teremos de esperar pelo projecto que está a ser desenvolvido pela REFER, mas que se prevê terá um traçado semelhante ao actual entre a Estação de Darque e o Cais Novo, derivando depois para a esquerda em direcção ao porto de mar.

Esperemos que estes acessos agora anunciados pelo sr. ministro, não demorem tantos anos a concluir como o acesso rodoviário (Avenida dos Combatentes) e ferroviário (ramal do Caminho de Ferro à doca) de há 100 anos.

 

publicado por dolphin às 19:56
tags:

Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
24
25
26

28


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Contador
mais sobre mim
pesquisar
 
pour générerller dans votre page web.
TIME
blogs SAPO